Em meio escolar, considera-se que a promoção da saúde “não se deve LuisaSerracircunscrever apenas a uma disciplina ou a um projecto específico, mas integrar o programa global de escola em que as áreas fundamentais devem depender, em grande medida, das necessidades sentidas pela sociedade ou comunidade em que o estabelecimento de ensino se insere” (Loureiro, 2004).

Pelas características e diagnóstico efectuado pelos directores de turma do 5º ano, em relação aos seus alunos, sentiu-se a necessidade de abordar a temática das relações entre os alunos….

Assim, no âmbito do Projecto Educação para a Saúde, decorreram, durante o mês de Maio, sessões sobre “Educação pelos Afectos”, cujo objectivo é enfatizar a importância das emoções e dos afectos no crescimento equilibrado e harmonioso do indivíduo e, no contexto escolar. As sessões foram destinadas aos alunos do 5º ano e ministradas pela psicóloga Dr.ª Luísa Serra, do Centro de Saúde da Lourinhã.

ValoresIniciou-se a sessão com um jogo para abordar o auto conhecimento do Eu, tendo-se chegado à conclusão que existem muitas partes do nós que não conhecemos, e a mesma situação se aplica aos outros.

Assim, vamos conhecendo o outro aos poucos e poucos, construindo um puzzle com os vários conhecimentos que vamos descobrindo. E até que este esteja construído o que temos é o “desconhecimento” acerca de nós e do outro. Então surge o medo e a insegurança.

No auto-conhecimento temos o dever da auto-avaliação, pois em primeiro lugar temos que nos conhecer a nós próprios.

No que se refere ao respeito devemos agir de acordo com: o auto-respeito, o respeito pelos outros, o colocar-se no lugar do outro, o ouvir e o dialogar e chegar a consenso.

Durante a cada sessão as diferentes turmas construíram as “Teias do Conhecimento”, uma forma de todos ficarem a conhecer um pouco mais de cada um.Valores2

Foram ainda abordados os conceitos de: conflito, maledicência e desentendimento, entre outros.

No final todos concordaram em que devemos pegar nas nossas diferenças e agir em cooperação e complementaridade, estas são as atitudes desejáveis.

E a Drª Luisa Serra contou esta “história”, pedindo aos alunos que a comentassem:

Triplo Filtrosocrates1

Na Grécia Antiga, Sócrates detinha uma alta reputação e era muito estimado pelo seu elevado conhecimento.

Um dia, um conhecido do grande filósofo aproximou-se dele e disse: “Sócrates, sabes o que eu acabei de ouvir àcerca daquele teu amigo?” “Espera um minuto”, respondeu Sócrates, “Antes que me digas alguma coisa, gostaria de te fazer um teste. Chama-se o “Teste do Filtro Triplo.” “Filtro Triplo?” “Sim,” continuou Sócrates, “antes que me fales do meu amigo talvez fosse uma boa ideia parar um momento e filtrar aquilo que vais dizer. Por isso é que eu lhe chamei o “Filtro Triplo.” E continuou: “O primeiro filtro é VERDADE. Tens a certeza absoluta de que aquilo que me vais dizer é perfeitamente verdadeiro?” “Não,” disse o homem, “o que acontece é que eu ouvi dizer que…” “Então,” diz Sócrates, “não sabes se é verdade. Passemos ao segundo filtro, que é BONDADE. O que me vais dizer sobre o meu amigo é bom?” “Não, muito pelo contrário…” “Então,” continuou Sócrates “queres dizer-me algo mau sobre ele e ainda por cima nem sabes se é ou não verdadeiro. Mas, bem, pode ser que ainda passes o terceiro filtro. O último filtro é UTILIDADE.O que me vais dizer sobre o meu amigo será útil para mim?” “Não, acho que não…” “Bem,” concluiu Sócrates, se o que me dirás não é nem bom, nem útil e muito menos verdadeiro, para quê dizer-me?”

Pensem nisto:

Quantas vezes dizemos coisas sem pensar, quando devíamos pensar antes de as dizer!!

Mundo4

Anúncios