Existe uma Declaração Universal de Direitos dirigida somente às crianças de todo o Mundo. É a DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS, que foi aprovada pela Organização das Nações Unidas (ONU), a 20 de Novembro de 1959.

Celebrar o Dia Internacional dos Direitos das Crianças é uma forma de relembrar a todos que todas as crianças têm direitos e que estes devem ser respeitados.

No dia 20 de Novembro, no Auditório da AMAL, todos os alunos da Escola E.B. 2,3 Dr. João das Regras assistiram a uma palestra, promovida pelo Departamento de Línguas Estrangeiras e o Projecto de Educação para a Saúde, apresentada pela Enfermeira Maria Oliveira e a Assistente Social Leonor Costa.12

Durante cinco semanas, a Assistente Social Leonor Costa, esteve em Moçambique, numa Missão “De olhos postos em ti”. Começou por dar a conhecer a localização geográfica daquele país e outros características que o tornam tão especial. Explicou que o trabalho desenvolvido estendeu-se a várias áreas: ajuda de mães, ensinar a ler, escrever (alguns materiais escolares foram levados por eles), idosos, crianças…

10Referiu também o trabalho desenvolvido com a Paróquia, a falta de professores e a falta de água canalizada. Levaram balões e no dia que os ofereceram às crianças foi um dia de festa… Aqui, em Portugal, os jovens não dão valor aos seus brinquedos e querem sempre outros diferentes e muitos!! Em Moçambique um simples balão é motivo de grande alegria!!!

As cores foram surgindo em algumas paredes para tornar o ambiente mais colorido e “feliz”!

As crianças em Moçambique estão sempre felizes e não choram…

Durante as cinco semanas ensinaram muitas coisas, mas também aprenderam outras, como por exemplo, a segurar uma criança de colo com um pano.

Terminou a sua intervenção salientando que quando chegaram a Portugal eram pessoas diferentes das que tinham partido para Moçambique, pois a realidade vivida foi muito intensa! “Sem dúvida que valeu a pena, abre-nos os horizontes, olhamos para tudo de forma muito diferente!”

11A Enfermeira Maria Oliveira iniciou a sua apresentação fazendo referência à localização geográfica de Cabo Verde, particularizando a Ilha do Fogo, pois foi onde esteve durante três meses, participando numa Missão da AMI (Assistência Médica Internacional).

Durante este tempo observou que as crianças, mesmo que estivessem com dores, estavam sempre sorridentes e nunca se queixavam… O índice de mortalidade infantil é elevado (39%) e houve uma pequena troca: aprendiam crioulo e ensinavam português. Levaram algum material, nomeadamente, pastas dos dentes e escovas, podendo realizar, assim, campanhas de sensibilização para a higiene dentária, realizaram diversos rastreios…

Enquanto, em Portugal, assistimos a um desinteresse pela Escola, em Cabo Verde isso não acontece: a Escola não é acessível para todos…

Uma questão problemática é a gravidez precoce e, para diminuir esta situação, foram realizados acções no âmbito da educação sexual.

Terminou salientando que: “abdiquei dos meus amigos, dos meus presentes, do meu Natal… mas o que recebi foi muito mais!!! E se um dia tiverem alguma oportunidade de ajudar os outros vão, pois é uma experiência inesquecível!”9

Na escola esteve patente uma exposição de trabalhos realizados pelos alunos no âmbito das disciplinas de Inglês, Francês e Espanhol, que sensibilizaram para o facto de existirem crianças a quem lhe é negado o direito…

Anúncios